O chamado Application Performance Monitoring (APM) representa o processo de monitorar as várias partes de um ambiente de aplicação a fim de identificar e mitigar problemas antes que se tornem mais graves; e também leva em conta as boas práticas de gerenciamento para chegar e manter o melhor desempenho possível de uma aplicação. O APM cobre tanto o monitoramento do desempenho técnico da aplicação, como o desempenho percebido pelos usuários.

Entre os ecossistemas tipicamente complexos e distribuídos dos aplicativos de hoje, podemos pensar no APM como nosso guia para encontrar a agulha (ou agulhas) em um palheiro digital que se estende por vários locais, e “perdido” em vários tipos de tecnologia.

O APM pode ser referenciado, a depender do contexto, como gerenciamento ou simplesmente monitoramento do desempenho de aplicações. Embora o gerenciamento seja mais uma abordagem proativa e o monitoramento mais reativo, quando se trata de resolução de problemas. Em ambos os casos, as ferramentas APM são cruciais para a integridade das aplicações.

Em resumo, o Application Performance Management (APM) trata de entender o “porquê” de qualquer problema o mais rápido possível, ou seja, decodificar por que as transações da aplicação de repente ficaram lentas ou começaram a dar sinais de falha no sistema.

Mas, porque mesmo sua empresa precisaria de um APM? Vamos a alguns dos principais objetivos:

Quebra de silos operacionais

O APM fornece uma visão unificada de toda a pilha de aplicativos, incluindo cada componente, ponto de conexão, dependência e interação do usuário.

Isso beneficia as diferentes equipes que dão suporte à aplicação, que poderão contar com uma visibilidade abrangente, o que as habilita a colaborar de uma forma que seria virtualmente impossível sem o auxílio de uma ferramenta de APM. Isso é particularmente importante em ambientes altamente distribuídos que suportam a maior parte das aplicações modernas.

Excelência no atendimento ao cliente

Toda empresa corre o risco de perder clientes quando uma aplicação apresenta problemas de desempenho ou não está disponível. Com uma ferramenta de APM, é possível obter insights de desempenho em tempo real que irão possibilitar uma reação imediata quando surgirem problemas, incluindo dados contextuais que ajudam a reduzir o tempo médio de recuperação (MTTR) e restaurar a aplicação ao nível de desempenho normal.

Ao resolver problemas de forma proativa em seus sistemas, uma empresa será muito mais capaz de fornecer uma experiência de atendimento de excelência para seus clientes.

APM protege os resultados financeiros da empresa

Soluções de APM mais sofisticadas fornecem análises de business intelligence, que ajudam a visualizar e a entender como os problemas de desempenho das aplicações afetam as métricas de negócios essenciais – conversões de receita ou vendas, por exemplo.

Isso não apenas ajuda a alinhar melhor a TI com os negócios, como também ajuda engenheiros de software a priorizar a remediação de problemas, mantendo o foco na resolução dos problemas que impactam diretamente os principais resultados dos negócios.

Os 3 tipos de ferramentas APM

Podemos classificar as ferramentas APM em 3 tipos, com base em sua função principal:

Com base nas métricas da aplicação. Muitas ferramentas usam várias métricas de servidor e aplicativo: na melhor das hipóteses, poderão retornar quantas solicitações o app recebe e, potencialmente, quais URLs podem estar lentos. Uma vez que não trabalham com code level profiling, no entanto, não é possível informar o porquê.

Com base em code level profiling. O tipo padrão de ferramenta de gerenciamento de desempenho de aplicação (APM) com base em code profiling e rastreamento de transação.

Baseado em rede. Essas ferramentas APM medem o desempenho da aplicação  de acordo com o tráfego da rede. Existe toda uma classe de produtos conhecida como network performance tool (NPM) que se concentra nesse tipo de solução.

Desempenho de requisições e transações na Web: a partir de uma ferramenta APM, um engenheiro de software será capaz de medir o desempenho de cada requisição e transação que se desenrola no aplicativo. Esses dados são usados para medir quais requisições são as mais acessadas, quais são as mais lentas e quais devem aumentar o backlog para impulsionar. Saber o desempenho de cada requisição, contudo, é apenas o começo. É possível obter isso através de um log de acesso ao servidor. O verdadeiro segredo, no entanto, é entender o por quê.

Desempenho de dependências: bancos de dados, serviços web, cache e muito mais: o motivo pelo qual a aplicação é lenta normalmente se resume a um pico no tráfego, ou ainda a um “emaranhado” com uma de suas dependências dentro da aplicação. É comum ter esses tipos de problemas quando:

  • Uma query SQL específica está lenta
  • O servidor de banco de dados SQL está inativo
  • Chamadas de serviço web HTTP externas estão falhando
  • Problemas com o provedor de cloud


Desempenho code level profiling: se um engenheiro de software deseja saber por qual motivo uma aplicação está lenta, apresenta erros ou possui bugs, precisa recorrer ao code level profiling. Saber que uma solicitação explícita não funciona é vital e bastante simples. Já decidir por que não funciona geralmente é uma tarefa difícil.

Mas acompanhar o que a aplicação está fazendo usando um APM de level profiling para isso ajudará em muito mais insights sobre o que está ocorrendo, como por exemplo:

– Quais estratégias principais se destacam no código?
– Quais estratégias são lentas?
– O app está lento por conta de um JIT, garbage collection etc?
– Quais dependências estão sendo chamadas?

Monitoramento básico do servidor e métricas (CPU, memória): problemas na aplicação ocorrerão por vários motivos. Devido à virtualização e à nuvem, a queda de um servidor não é mais tão comum. No entanto, isso ainda vai acontecer e é algo que precisa ser monitorado. Também é essencial monitorar coisas como CPU e memória do servidor. Muitos aplicativos web recentes não são limitados pela CPU, no entanto, ainda usarão muita CPU e é um indicador útil para escalonar automaticamente uma aplicação na nuvem.

Dados de log da aplicação: sempre que algo dá errado em produção, a primeira coisa que se costuma ouvir de um desenvolvedor é “me mostre os logs”. Informações de log normalmente se tornam os olhos e ouvidos dos desenvolvedores após o deploy de uma aplicação. Naturalmente, os devs também desejam acessar seus logs através de uma solução de gerenciamento de log centralizada.

Erros na aplicação: a última coisa que uma empresa precisa é de um usuário entrando em contato para relatar que sua aplicação está apresentando algum tipo de erro ou, tão pior, simplesmente saiu do ar. Os desenvolvedores precisam ter em mente que isso acontece e devem perpetuamente se antecipar ao problema. Os erros são a principal linha de defesa na localização de problemas em aplicações: é preciso encontrá-los e corrigi-los, ou pelo menos entendê-los, antes que os clientes liguem para informar a situação – a maioria, na verdade, nem ligará para fazer isso. Eles simplesmente irão para outro lugar.

Assim, um rastreamento de erros, relatórios e alertas eficientes são essenciais para desenvolvedores em um sistema de gerenciamento de desempenho de aplicações. 

Real User Monitoring (RUM): compreender o desempenho das aplicações no aspecto do servidor é sempre muito importante. No entanto, as aplicações atuais usam JavaScript e é vital monitorar quanto tempo leva para o navegador carregar e renderizar completamente o conteúdo da web. Um erro simples de JavaScript ou um arquivo de carregamento lento podem afetar totalmente a aplicação. O monitoramento real do usuário, mais conhecido como Real User Monitoring (RUM), é outro recurso vital de uma ferramenta APM que os desenvolvedores usam para monitorar seus aplicativos.

O que é possível fazer com uma ferramenta APM?

Em primeiro lugar, é possível coletar métricas de desempenho em todo o ambiente de aplicações. Além disso, também é possível:

  • Fazer o monitoramento de usuários reais – teste a experiência do usuário em diferentes locais
  • Criar transações sintéticas
  • Elaborar mapas de serviço e aprofundar-se nas métricas
  • Cumprir os prazos em produção sem quaisquer bugs na construção do aplicativo
  • Testar ambientes .Net e Java e ter a certeza de sua normalidade
  • Detectar anormalidades automaticamente e solucionar esses problemas antes que afetem os negócios
  • Receber alertas e notificações se a aplicação monitorada se desviar de seu estado normal

Em suma, um software APM ajuda a compreender a fundo o comportamento das aplicações, além de detectar e resolver problemas em menos tempo de forma proativa. No geral, o negócio se beneficia na medida em que o processo se torna mais eficiente na forma de uma satisfação por parte do usuário final.

A sua organização precisa de um APM?

Se sua organização construiu suas próprias aplicações, então você definitivamente precisa de uma ferramenta de monitoramento de desempenho de aplicativos para garantir a “saúde” dos seus sistemas.

É aconselhável ter um APM se:

  • Sua organização desenvolve aplicativos do zero
  • Sua receita depende das aplicações desenvolvidas
  • Você possui vários sistemas que interagem ou dependem de outras aplicações
  • As operações de negócios dependem das aplicações desenvolvidas internamente
  • A aplicação depende do suporte regular de um fornecedor e você depende dos membros internos da equipe de TI para apoiá-la


Por fim, você deve garantir que as aplicações estejam sendo executadas com eficiência máxima.

Leave a Comment

Elvenworks Soluções em tecnologia LTDA

Smart Platforms

 

Follow Us

Email: contact@elven.works